segunda-feira, junho 27, 2005

Quisera ser alquimista


Gustav Klimt_Primavesi



















nas asas de borboleta
no fulgor do pirilampo
no ardil dos peixes
brincando
de esconde esconde
nos seixos
nos irisados reflexos
de cada gota de chuva
se chovera, ... buscaria
em cada grão da seara
e na laranja madura
e em cada bago de uva
moscatel, doce, dourada
como gotinha de mel
milagre vivo de abelha
ao volitar numa valsa
de flor ao sol animada
pelo renovo guiada
Ah, bendita formosura
presente na natureza!
Ah, brilhante natureza
presente na mente sana
que não se afunda na lama
mas enaltece a pureza!

Maria Petronilho,
26/6/2005

1 comentário:

Liliana disse...

Sem palavras... Que ternura, que magia!!! Beijinhos com muita admiração e carinho, Liliana.